terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Edição da revista "Judaïsme Ancien/Ancient Judaism"

A Edição de primavera de 2016 (volume 4) da revista Judaïsme Ancien/Ancient Judaism contém um artigo de minha autoria: "Scribal Intervention in the Titles of Nag Hammadi Codex V".
Trata-se de uma versão estendida de uma comunicação apresentada no Congresso de 2013 da Society of Biblical Literature, em Baltimore. 

Esse mesmo volume do periódico conta com um excelente artigo dos meus Amigos Eric Chregheur e Steve Johnston sobre a Pistis Sophia. 

Quem quiser ver os títulos e resumos desses e dos demais artigos, pode clicar aqui.    

terça-feira, 6 de dezembro de 2016

"Então é Natal", e você já sabe o que isso significa.

Já dissemos em outro post aqui no blog que as épocas que antecedem o Natal e a Páscoa são as prediletas da mídia para lançar grandes dossiês sobre Jesus, ou publicar matérias sobre "descobertas" arqueológicas que revolucionariam o que sabemos sobre o próprio Jesus e as origens do Cristianismo (para saber mais, clique aqui). Isso acontece porque é justamente nessa época que a sensibilidade religiosa das pessoas está em alta, e elas ficam mais interessadas em consumir e comprar tudo que envolva religião. 

Bom, esse ano já temos uma nova "notícia" desse naipe. Ao menos três sites vincularam a partir do dia 29 de novembro uma notícia sobre um livro de chumbo que conteria a mais antiga referência histórica sobre Jesus. Um desses sites é nada mais nada menos que o do tabloide inglês "The Mirror". Nos sites em questão, é dito que se trata de um rolo (Scroll), mas, o que se vê é a foto de uma espécie de códice.
Eis os links:

http://www.mirror.co.uk/news/uk-news/ancient-set-books-2000-years-9358433

https://au.news.yahoo.com/world/a/33375559/2000-year-old-scrolls-with-believed-first-reference-to-jesus-christ-authenticated/#page1

http://www.pravoslavie.ru/english/99110.htm

Eis o que seria uma foto do tal "rolo"



Segundo um dos sites, ele teria cerca de 2 mil anos de existência, seria feito de chumbo, escrito numa espécie de língua paleo-hebraica e sua autenticidade teria sido comprovada por estudiosos britânicos; é dito ainda que no documento é relatado que Jesus veneraria uma espécie de divindade andrógena. Por fim, o tal "rolo" faria parte de uma coleção conhecida como "Rolos de Chumbo do Jordão", descobertos no Jordão em 2008. 
Um site russo (veja nos links acima) reporta ainda que o documento conta sobre a aparição de Deus no Templo de Salomão enquanto Jesus ali rezava. 

Como uma das especialidades deste blog é justamente desmistificar esse tipo de notícia, aí vamos nós. 

Bom, a parte mais absurda dos relatos midiáticos é certamente a que diz que Jesus rezava no Templo de Salomão. Ora, o famoso "Templo de Salomão" já não existia mais no tempo de Jesus; ele foi destruído e pilhado durante a invasão da Palestina pelo Império Babilônico. Aquele templo sobre o qual lemos nos Evangelhos e no qual Jesus certamente orou é conhecido como "Segundo Templo", e foi construído durante o domínio Persa, sob o patronado de Ciro, o Grande. Qualquer um que comece a se inteirar dos assuntos de estudos bíblicos sabe disso. 

Posto isso, podemos falar do restante. Na verdade, esse conjunto de documentos não são "rolos", mas códices (livros em formato de cadernos). Já se sabe de sua existência desde 2011 pelo menos; sabe-se também que são falsos. E já tem até link no wikipedia (clique aqui). 

Entre 2011 e 2012, muitos estudiosos se pronunciaram a respeito, dizendo que se tratava claramente de uma falsificação. Trata-se, portanto, de uma notícia de alguns anos que foi requentada para chamar a atenção no Natal. 

Ainda em 2011, a Israel Antiquity Authority disse que os códices não passavam de uma falsificação barata, que misturava estilos e escritas de várias épocas diferentes e que era possível achar esse tipo de "artefato" a venda em diversos mercados de antiguidades tanto no Jordão quanto no Oriente Médio de maneira geral. De fato, pelas fotos, o que eu vejo nem é paleo-hebraico (que, diga-se de passagem, nem era mais falado na época de Jesus), mas um monte de letras tentando imitar o grego. 

Enfim, temos mais uma falsificação que foi "ressuscitada" para fazer sucesso nesse Natal. Não caiam nessa.