quinta-feira, 24 de abril de 2008

Dormitio Marie, Transitio Marie

Ao traduzir o artigo do meu caro amigo Alin Sociu para o português, deparei-me com uma literatura muito interessante sobre a qual eu já tinha ouvido falar, mas que não conhecia a fundo.
Trata-se do círculo literário conhecido como Dormitio Marie ou Transitio Marie. O Alin acabou tomando contato com esses textos devido a sua pesquisa de doutorado; quem lê o blog sabe que ele está comprovando que o dito Evangelho do Salvador é na verdade uma homilia copta tardia e assim sendo, se assemelha a outros textos coptas dos sécs. VI, VII e VIII.
E os textos das tradições da Dormitio e da Transitio Marie fazem parte do corpus literário copta dos sécs. citados.
Mas do que tratam esses textos da Dormitio e da Transitio Marie? Tratam de um assunto muito conhecido de católicos do mundo inteiro: a Assunção da Virgem Maria. Esses textos, patrimônio histórico da cristandade, atestam a existência de tal crença já num periodo relativamente antigo da história do cristianismo.
Nos textos da tradição Dormitio, o assunto principal é exatamente da dormição da Virgem; ou seja, ela, por ser imaculada, não poderia ter sofrido a corrupção do corpo decorrente da morte. Assim sendo, ao final de sua jornada na terra, ela teria dormido, caido num estado de entorpecimento, para então ser elevada intacta aos céus.
Nos textos da tradição Transitio, o assunto principal é a viagem da Virgem até os céus, ou seja, a assunção propriamente dita, depois da dormição.
As descrições desses textos são estremamente belas; a Virgem sempre está vestida com roupas explendorosas e resplandescentes (olha a apocalítica ai), que não poderiam ser usadas por nenhum outro ser humano; em geral os apóstolos estão com ela e velam seu corpo quando Jesus aparece em sua glória para buscá-la, cercado de anjos e exércitos celestes.
A historicidade desses relatos pode, evidentemente, ser questionada, afinal, tratam-se de textos dos sécs. V, VI, VII e VIII que falam de acontecimentos sobrenaturais. Mas isso não significa, no entanto, que a assunção não tenha acontecido (inclusive, isso é um Dogma, e, na condição de historiador que nele acredita, eu deixo esse assunto para os teólogos). Mas a importância desses textos repousa no fato deles atestarem a crença da assunção da Virgem ainda na antiguidade. Se alguém acha que o dogma da Assunção foi algo "inventado" recentemente, esse alguém está enganado. Esses textos comprovam que já na antiguidade haviam cristãos que acreditavam nisso.
E o fato desses textos terem sido conservados em copta significa algo? Só a tradição copta acreditava nisso na antiguidade e só depois a tradição latina se apropriou de tal crença? Não, absolutamente não. Mais uma vez lembramos que o clima do Egito é propício para a conservação de manuscritos. Por isso esses textos foram conservados em copta, porque só no Egito é seco o suficiente....

3 comentários:

Andrea disse...

É muito bom para nós, católicos, conhecer um pouco mais sobre esses estudos. Essas descrições tbm são super interessantes, nunca tinha ouvido falar nelas.
Como você mesmo disse, também é uma prova de que os dogmas são fruto de muito estudo, e não surgiram de uma hora para a outra.
Muito legal!
=*

Márcio Maciel disse...

Bacana, meu velho.
Mas na real, me responde uma coisa: até onde a crença influencia na análise histórica nesses temas?

Não que eu ache que essa entrada tenha uma influência nesse sentido - você deixou isso bem claro - ou mesmo boa parte do que eu tenho lido no blog. Mas, por saber que tu é católico 'fortemente' praticante, e boa parte do pessoal que trabalha contigo também é, queria saber até que ponto isso influencia até mesmo na escolha dos temas.

Abração rapá!

Dona Sra. Urtigão disse...

a "chata" de novo: por que textos que referendam um dogma são considerados como fonte verdadeira e outros~da mesma época/lugar não o são ?
AH! adorei descobrir este espaço. Tudo que adiciona conhecimento ou melhor dizendo,saber é ótimo e seu blog conduz à reflexão. A tal relevância que desde que descobri blogs, cerca de 1 mes, não encontro aqui.Já havia classificado 'rede de futilidades', aí surfando cheguei aqui. Agradecida!