sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Cristianismo nascente e judaísmo

Uma pergunta de um amigo, Guilherme Guth, levou a uma discussão saudável sobre as relações entre o cristianismo nascente, em suas primeiras décadas e o judaísmo. Ele me fez a pergunta por e-mail, mas vou responder aqui porque aí todos podem participar.
O Guilherme usou a palavra seita, apoiado na definição do dicionário Aurélio, para definir o cristianismo em relação ao judaísmo; o cristianismo, em seus primórdios, seria uma seita do judaísmo. Bom, primeira coisa, em geral, definições de dicionários de língua portuguesa não são utilizadas para discussões científicas. Basta ver, Guilherme, a definição de "mito" do mesmo dicionário Aurélio; ela não corresponde àquela aprendida em História Antiga I.
Um segundo ponto diz respeito ao seguinte: em geral, os especialistas evitam utilizar a palavra "seita" para se referir ao cristianismo, da mesma forma como se evita utilizá-la para, por exemplo, grupos hereges dos séculos II e III.
O mais comum é se referir ao cristianismo das primeiras décadas como uma ramificação do judaísmo, um tipo de judaísmo. Sabe-se por meio de diversas fontes que havia no séc. I vários tipos de judaísmo; por exemplo, fariseus e saduceus. Assim sendo, o cristianismo seria, mais uma espécie de judaísmo, mesmo porque praticamente toda a primeira geração de cristãos era formada de judeus (o próprio Jesus o era).
E de certa maneira, não era intenção de Jesus fundar uma nova religião, ele se apresentou como o cumprimento das promessas da antiga aliança. Ou seja, a partir de Jesus, para os judeus que o seguiram, o judaísmo só fazia sentido com o próprio Jesus. Com o passar do tempo, como muitos judeus não aderiram a Jesus, aqueles que o fizeram passaram a formar um grupo distinto. É claro que isso se deveu a uma série de outros fatores que podem ser tema do próximo post.
E só para terminar, o fato de haver separação religiosa clara entre cristãos e judeus pelos fins do séc. I e início do II não significa que houve separação social. Cristãos e judeus continuaram a conviver.

4 comentários:

Guilherme Guth disse...

julio, vc nao respondeu minha duvida inicial, que é quando, como e pq os cristaos se separaram dos judeus. ou se o caso, quando os judeus "expulsaram" os cristaos.
eu realmente preciso verificar mais o vocabulario cientifico sobre o assunto, mas ainda acho a palavra seita cabe muito bem no caso do cristianismo. principalmente pq ja vi muitas outras seitas judaicas. e, por analogia, entendo que tendo a religiao judaica como o cerne principal, suas ramificações foram chamadas de seitas ao longo do tempo. e nao entendo pq nao usar no caso cristão.
de qualquer maneira nao é essa discussao que eu quero ter, e sim sobre a percepçao entre judeus e cristaos de que eles ja nao eram o mesmo.

Julio Cesar Chaves disse...

Então, Guilherme, a sua pergunta eu respondo no próximo post.
Por hora, vou dizer apenas uma coisa.
Você disse:"entendo que tendo a religiao judaica como o cerne principal, suas ramificações foram chamadas de seitas ao longo do tempo"
Mas o que você não entendeu é que a religião judaica na época de Jesus não era homogênea. Quando falamos de judaismo no séc. I, falamos de várias ramificações. Não havia um judaísmo principal. O farisaísmo era o mais popular, mas se adotarmos o critério de popularidade, o cristianismo depois de algumas décadas passa o farisaísmo e ai, a "seita" seria o farisaísmo.
Se formos adotar seu critério de "cerne principal", hoje em dia, podemos dizer que tudo que não é Igreja Católica no cristianismo é seita. E isso não seria justo com as Igrejas ortodoxas, por exemplo.
Repetindo, da mesma forma que não se usa a palavra "seita" para falar de grupos de hereges nos séculos IIe III, por se achar inadequado, também não se usa tal palavra para falar do judaísmo.
Mas se você quer pensar assim, tudo bem. Só quero te alertar que os pesquisadores em geral não o fazem.

Guilherme Guth disse...

tudo bem, vou seguir sua orientaçao, apesar de ver "seita" usada de outro jeito.

mas ai fica outro ponto.
no sec. XVI com a reforma, qual palavra usar para as diferentes igrejas que surgiram?
entendo que no sec em questao, o cristianismo vira a religao, e o catolicismo e luteranismo seitas.
sei que vc nao quer usar essa palavra. qual o conceito entao para essas tres palavras: cristianismo, catolicismo e luteranismo?

Julio Cesar Chaves disse...

o séc. XVI está fora do âmbito deste blog.
Mas, se o cristianismo da antiguidade, já chamado de catolicismo desde a primeira metade do séc. II não era seita, não sei porque chamá-lo de seita a partir do século XVI.
De qualquer modo, peço que não cite mais o séc. XVI, pois não é essa a proposta desse blog.